Pular para o conteúdo

Posts da categoria ‘feltragem’

a família pequetita

.

Encantei-me com a casquinha de noz

quando caminhava pelo Caminho de Santiago de Compostela,

há muitos anos atrás. O apelo de desapegar e levar consigo apenas o mínimo possível

não foi suficiente para que eu deixasse de colocar cuidadosamente as queridas casquinhas

dentro de uma caixinha rigida, para algum projeto futuro.

Finda a caminhada, guardada a caixinha. Eis que certo dia redescubro-a com alegria,

e ela adquire um nobre propósito: encabeçar um bonequinho para meu filho agora já nascido.

Como o menino não ficaria sozinho, fez-se a mãe e um bebezinho

para acompanharem nas brincadeiras

e em novos passeios a caça de tesouros…

.

Anúncios

para Christian – e foi um abraço bem apertado…

Depois da paciência da espera,

e da compreensão acima da esperada para os 3 anos e meio,

recebeu o filho o ursinho

e um merecido abraço de mãe que levava muitos beijos na bagagem…

.

.

* ursinho confeccionado a partir do modelo do livro “Sweet Needle Felts – 25 projects to wear, give and hug”, de Jenn Docherty

 

para ver os primeiros passos do urso clique na imagem abaixo:

 

para Christian – o ratinho merece um abraço de urso

 

sachê de cravo em técnica de feltragem com agulha (needle felting)

Feltragem com agulha é uma técnica que pode ser aplicada de várias formas,

desde um detalhe em uma roupa ou um artigo de artesanato,

até trabalhos artísticos mais elaborados.

A matéria-prima principal é a lã, bem acompanhada da agulha própria para a técnica.

.

.

Materiais para fazer um sachê de feltro com aplicação de feltragem com agulha:

.

– agulha para feltragem (apresenta ranhuras; pode ser encomendada pela internet, na Elo7, por exemplo)

– base de espuma (de 5 ou 7 cm – serve a que se encontra em lojas de materiais de pintura de paredes)

– feltro

– lã natural de diversas cores (também pode ser encomendada pela internet)

– cravo para o recheio

– linha para costurar o sachê

– agulha de costura

– tesoura

.

.

Marque com lápis e recorte dois círculos de feltro:

.

.

.

Comece a trabalhar com poucos fios de lã, procurando dar a forma desejada. No caso, o bico de um pássaro.

O desenho pode ser feito a mão livre ou pode ser marcado previamente no feltro com um lápis.

A agulha deve perfurar continuamente o feltro,

delimitando as bordas da lã na forma do desenho.

Também no centro do desenho deve ser aplicada a agulha, para que a lã se fixe na base de feltro.

.

.

É necessário ter cuidado para não quebrar a agulha, que deve passar o feltro e  chegar até a base de espuma.

A noção de quanta força deve ser imposta sobre o material vem com um pouco de prática. Não é demasiada, apenas o necessário para perfurar o feltro. Também deve-se estar atento para não se machucar com a agulha, pois é muito afiada.

.

As ranhuras da agulha são as responsáveis por empurrar a lã para baixo, modelar e unir os fios no processo de feltragem.

.

.

Esse é o aspecto da lã antes de ser feltrada. Pode ser encontrada em texturas variadas, mais fina ou mais grossa.

.

Ao trabalhar continuamente com a agulha na base de feltro, a forma começa a ficar mais definida.

Pode-se trabalhar deixando a lã mais baixa ou com mais volume, como nas flores que circundam o pássaro.

.

.

Aos poucos acrescenta-se mais lã, de preferência com uma pequena quantidade de fios a cada vez.

.

.

Acrescente quanta lã considerar necessário, modelando e remodelando até que a lã assuma a forma do desenho.

.

.

Pode-se trabalhar com várias camadas de cor, o que dá um efeito especial para o trabalho.

.

Quando o desenho já estiver todo feltrado, será a vez de soltar o feltro da base de espuma.

Isto é feito arrancando com delicadeza o feltro da espuma, procurando não deformar a lã que foi trabalhada.

O verso do trabalho ficará assim:

.

.

.

Para finalizar o sachê, costure os dois círculos de feltro (no caso, o ponto caseado).

Antes de fechar completamente a costura,

preencha o sachê com cravo.

.

.

Boa diversão!

coelhinho de feltragem

.

ligeiro, ligeirinho

o coelho coelhinho

conquista sem muito esforço

o coração do príncipe da casa,

que confirma, bem satisfeito:

que bonitinho!

.

.

A vizinha, ao ver o pequetito com esse coelho, comenta:

– Que gracinha de coelhinho! É o coelho da sorte?

– Não. É meu.