Pular para o conteúdo

ler nas entrelinhas

Imagino que a primeira tela que se apresenta para uma leitura do mundo seja o ventre da mãe. É a partir dali, daquele ponto, daquele princípio de vida na matéria que é oferecida a possibilidade primordial para o leitor do mundo: o afeto.

Ler o mundo a partir do bem-querer é querer bem ao mundo. É sentir-se integralmente conectado ao que está a sua volta. Muito antes de decodificar letras, processar símbolos, signos, significados, a leitura já começa a ser saboreada. Toma forma, cor, textura. A tela é a pele, é o tato. A tela é o olfato. Ler tem cheiro de sensações, de memória sendo formada, de vida pulsando em palavras.

A primeira leitura do mundo se faz em minúcias, como uma espécie de secreto braile. Transcreve-se em um código tátil de carinho quando, ainda no ventre, o acariciar da mão sobre a barriga grávida é percebido pela pressão, pelo ondular, pela temperatura. O amor fica estampado nas fibras do vestido, já gastas de tanto afago.

 Se a primeira fase ainda é contida pelo entorno placentário, logo na primeira infância a criança já lê de tudo: pedra, sorriso, estrondo, sono, chuva, calor.

Que possamos criar crianças sem medo, capazes de, no futuro, lerem a poesia da realidade.

.

*o anjinho de miçangas foi um presente feito com carinho pelas mãos caprichosas da amiga Taísa. 

Anúncios
Não há comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s